Carta do Dia: O Louco

O Louco no tarot, Carta do Dia

Representações do Louco: Tarot de Crowley, Novo Tarô de Marselha e Tarô Mitológico.

“(…) ele é a imagem do impulso, da centelha da busca, dentro de cada um de nós, todas as coisas que nos atraem para o desconhecido.”1

Para muitos estudiosos do Tarot, o Louco representa o primeiro Arcano, outros o encaram como o último… e há também os que afirmam que nosso intrépido andarilho pode ocupar as duas posições, conforme sua própria vontade! Seja como for, o Louco nos traz este dinamismo, esta vontade manifesta de caminhar, buscar, desbravar!
O Louco não costuma fazer planos complicados, “gastar” tempo em planejamento e reflexão; Seu espírito anseia pelo movimento, pela caminhada, pouco importando os perigos à frente. Por esta razão, muitas vezes, é tido como imprudente, desatento, desleixado, desapegado, descomprometido. A bem da verdade é que o Louco é um espírito livre, que enfrenta a vida e os desafios do cotidiano de peito aberto.

A Mensagem do Louco:
A seu modo, este Arcano questiona sobre nossa inércia e hesitação em agir: O que temos adiado? O que falta para colocarmos estes planos em prática (aliás, por que não agora)? Ele também nos fala sobre estarmos atentos à boas oportunidades e fazermos uso da criatividade e coragem para trilhar novos caminhos, deixando o comodismo e a zona de conforto de lado, para tentar algo inédito. Este é um Arcano de coragem e ação, que nos convida à despertar e ousar – portanto, mãos à obra!
Palavras-chave: abertura, busca, confiança, desprendimento, coragem, liberdade, independência, criatividade, potencial inexplorado, intuição.

A carta do dia é uma fonte aconselhamento e reflexão. Pegunte-se: Qual foi a primeira situação que lhe veio à mente ao ler este texto? Você já havia pensado sobre esta situação sob este prisma? Quais são as opções de solução que você enxerga no presente? O que a mensagem desta carta lhe aconselha?

——
Ref. Citações:
1. PRIETO, Claudiney. O Novo Tarô de Marselha. 1.a ed. São Paulo: Editora Alfabeto, 2016, p.30.